Tratamento contra o câncer faz jovem sonhar em ser profissional da saúde

Convivência com profissionais do Hospital Oncológico Infantil e cuidados recebidos inspiram adolescente

Aos 17 anos, um dos sonhos do garoto Emerson Reis é ser um profissional da área da saúde. Poder salvar vidas será uma das formas escolhidas pelo adolescente para retribuir e compartilhar experiência que tem vivido nos últimos sete anos, quando foi diagnosticado com um linfoma de Hodgkin, tipo de câncer que afeta o sistema linfático e compromete o sistema de imunidade do organismo.

A escolha da futura profissão é uma homenagem aos profissionais do Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, onde faz tratamento em Belém, e ela vem na mesma semana de comemorações pelo Dia Nacional do Hospital (2/7), criado justamente para celebrar esses profissionais envolvidos no dia a dia de uma unidade de saúde.

Natural do município de Tracuateua, no nordeste do Pará, Emerson lembra a importância do carinho recebido ao longo de sete anos de tratamento. “Desde o início e até hoje, já passei por todos os procedimentos e eu creio que uma hora a vitória vai chegar, o meu o milagre vai acontecer e aí serei médico para ajudar as pessoas doando amor e carinho, assim como várias pessoas estão me ajudado durante o tratamento no Hospital”, conta Emerson.

Assim como Emerson, mais de mil crianças atendidas no Oncológico Infantil Octávio Lobo tem vivido seus sonhos em meio ao tratamento, e o compartilhamento dos avanços e da superação dos momentos mais difíceis, tem motivado cada vez os profissionais da unidade gerenciada pela Pró-Saúde.

“Nossa missão é proporcionar um tratamento com humanização, segurança e qualidade. Sabíamos que desde o início, isso seria fundamental para preservar essa fase da vida das crianças. Ao longo dos anos, percebemos o quanto essa troca de vivências também se tornou importante para nossos profissionais”, explica Alba Muniz, diretora Hospitalar do Oncológico Infantil.

Para Jéssica Vasques, enfermeira no Centro Cirúrgico da unidade, por onde Emerson passou recentemente, a escolha do garoto se torna em um reconhecimento ao trabalho dos muitos profissionais do hospital. “É uma alegria poder saber que o nosso cuidado e atendimento podem ser inspiração para o futuro deles. Tenho certeza que ele alcançará seu sonho e será um excelente profissional porque terá uma visão como paciente. A empatia é um sentimento importante na área da saúde”, destaca Jessica.

Referência

Atualmente cerca de mil crianças e adolescentes de municípios do Pará e de estados vizinhos como o Amapá estão em tratamento no Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo. Em 2019, quando completou quatro anos, a unidade que é referência para diagnóstico e no tratamento do câncer superou a marca de 1 milhão de atendimentos. Entre eles, 110 mil sessões de quimioterapias, 56.049 consultas, 651 mil exames e 5.533 internações, com um índice de aprovação atual de 98%.

Ainda em 2019, o Hospital se tornou o primeiro na rede pública do país, com atendimento em oncologia pediátrica, a conquistar a certificação ONA 3 – Acreditado com Excelência. Esse é o maior nível de reconhecimento concedido pela Organização Nacional de Acreditação, entidade respeitada e com atuação nacional responsável pela avaliação dos serviços de saúde do País, destacando os melhores resultados de gestão, qualidade e segurança voltados ao paciente.

Sobre a Pró-Saúde

A Pró-Saúde é uma entidade filantrópica que realiza a gestão de serviços de saúde e administração hospitalar há mais de 50 anos. Seu trabalho de inteligência visa a promoção da qualidade, humanização e sustentabilidade.

Com 16 mil colaboradores e mais de 1 milhão de pacientes atendidos por mês, é uma das maiores do mercado em que atua no Brasil. Atualmente realiza a gestão de unidades de saúde presentes em 24 cidades de 12 Estados brasileiros — a maioria no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde). Atua amparada por seus princípios organizacionais, governança corporativa, política de integridade e valores cristãos.

A criação da Pró-Saúde fez parte de um movimento que estava à frente de seu tempo: a profissionalização da ação beneficente na saúde, um passo necessário para a melhoria da qualidade do atendimento aos pacientes que não podiam pagar pelo serviço. O padre Niversindo Antônio Cherubin, defensor da gestão profissional da saúde e também pioneiro na criação de cursos de Administração Hospitalar no País, foi o primeiro presidente da instituição.