Oncológico Infantil comemora dois anos bem avaliado por pacientes e familiares

Crianças, adolescentes e adultos tiveram uma manhã alegre nesta quinta-feira, 12/10, durante o aniversário de dois anos do Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, em Belém (PA). A data, que também marca o Dia das Crianças, foi celebrada com uma festa, que teve a intensa participação dos pacientes da unidade.

A programação iniciou com a palavra do secretário de Saúde Pública do Pará, Vitor Mateus, que destacou a qualidade do atendimento prestado na unidade. Segundo o secretário, as conquistas do Oncológico Infantil como a certificação da Organização Nacional de Acreditação (ONA) são pontos importantes a serem destacados na trajetória da instituição, no entanto, ainda mais importante é o bem-estar do paciente. “O maior prêmio é aumentar a sobrevida destas crianças com o nosso atendimento. É conseguirmos ter um sorriso no rosto de cada uma delas”, refletiu.

A festa do Oncológico Infantil também contou com a benção do diácono Paulo Galende, da paróquia de São Geraldo Magela, em Belém (PA). Representando a Igreja Católica, o religioso parabenizou a equipe da unidade, gerenciada pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar sob contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), e lembrou que o atendimento ao paciente deve ser, também, permeado por amor, carinho e dedicação. “Neste dia que coincide com o dia de Nossa Senhora, a Igreja parabeniza toda a equipe pelo excelente trabalho, reconhecido nacionalmente. Existe amor, existe carinho e dedicação a estas crianças e adolescentes”, falou.

E já que a festa também celebrava o Dia das Crianças, nada mais apropriado do que dar aos pacientes momentos de brincadeira e descontração. As crianças e adolescentes da unidade experimentaram um momento de aventura com o Corpo de Bombeiros. Os militares utilizaram uma viatura de combate a incêndios para que os pacientes praticassem rapel. O pula-pula na cama elástica também atraiu a atenção dos pequenos.

Os alunos do projeto “Classe Hospitalar”, uma parceria entre o Oncológico Infantil e a Secretaria de Estado de Educação (Seduc), apresentaram um número musical para o qual passaram a semana ensaiando. Sucesso na década de 1980, a música “Depende de Nós” foi cantada pelos estudantes para mostrar aos presentes que a esperança move quem enfrenta o câncer infantojuvenil.

A esperança é o mesmo sentimento que move a avó da paciente G. P. S., Maria Orlandina Frazão Barros. Emocionada com a benção do diácono Paulo Galende, Maria Orlandina chorava baixinho enquanto o religioso levantava a imagem da Virgem de Nazaré. “Agradeço muito a Deus e Nossa Senhora por terem acolhido minha neta aqui. Hoje a entreguei na mão de Nossa Senhora, sei que ela vai melhorar”, disse.

A certeza da melhora vem da qualidade técnica do corpo clínico da unidade. Isso permite receber depoimentos espontâneos como o de Denise Malheiros, mãe de paciente. Em 2014, ela e o marido receberam, o que classificam como a notícia mais difícil de suas vidas: o câncer do filho L.M.

Diagnosticado com linfoma, o menino recebeu tratamento no hospital do GRAACC, em São Paulo (SP), e retornou a Belém para fazer a manutenção no Oncológico Infantil. “Eu estive em São Paulo e quero parabenizar toda a equipe que está aqui porque o nosso Hospital Oncológico Infantil é tão lindo e da mesma categoria do GRAAC. Não perde em nada para hospitais de fora daqui”, elogiou.

Na opinião da diretora-geral, Alba Muniz, depoimentos como o de Denise reforçam a confiança que as famílias dos pacientes depositam na equipe da unidade. “A cada aniversário deste hospital a gente faz questão de reforçar o sentimento de gratidão pela confiança que nos foi concedida, de fazer um hospital onde as pessoas fossem acolhidas, bem tratadas e bem cuidadas”, disse.

Alba também lembrou que o bem-estar proporcionado aos pacientes também é fruto do trabalho dos voluntários e parceiros da entidade. “Tantas pessoas vieram nos prestigiar nesta data. Isso nos leva a refletir sobre o impacto da presença do Hospital Oncológico Infantil no Pará. Nosso reconhecimento vai além dos certificados que recebemos. Quando uma entidade como o Corpo de Bombeiros vem ajudar na nossa festa, trazendo o rapel para nossas crianças, quando tantos parceiros vem para nossa comemoração, é sinal de que estamos fazendo um bom trabalho”, orgulhou-se.

Raio-x

Referência no combate ao câncer infantojuvenil, o Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo atende a cerca de 700 pacientes. Os tipos de câncer mais recorrentes entre os pacientes são leucemia e linfomas. Entre janeiro e setembro de 2017, a unidade realizou 106.145 exames e 671 cirurgias. O índice de satisfação dos usuários é de 97%. Foram realizadas 24.403 sessões de quimioterapia. Já as faixas etárias com maior número de internações foram dos 3 a 5 anos com 257 pacientes; 0 a 2 anos com 238 pacientes e 9 a 11 anos com 211 pacientes.

Este ano, o Oncológico Infantil foi habilitado pelo Ministério da Saúde como a mais nova Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon) da região amazônica, com atuação dedicada à oncologia pediátrica. Em junho deste mesmo ano, foi certificado como ‘Hospital Acreditado – ONA 1’ pela Organização Nacional de Acreditação (ONA). O Oncológico Infantil também é signatário do Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU) e do Pacto de Princípios de Empoderamento das Mulheres, uma iniciativa da ONU para promover a igualdade de gêneros e o empoderamento das mulheres.

Em 2016, a unidade realizou 140.416 exames e 350 cirurgias. O índice de satisfação dos usuários da unidade foi de 94%. As sessões de quimioterapia totalizaram 26.014 durante o ano. As faixas etárias com maior número de internações foram dos 6 a 8 anos com 222 pacientes; 3 a 5 anos com 198 pacientes e 9 a 11 anos com 173 pacientes. Naquele ano, a entidade tornou-se signatária do Pacto Global da ONU.