Oncológico Infantil garante provas do ENEM para usuários

Em 2017, os mais de 7,5 milhões de inscritos para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) fizeram suas provas nos dias 5 e 12 de novembro. Para os jovens José Lucas da Costa Balieiro e Tonidiel Balieiro Pinheiro as provas só foram realizadas nos dias 12 e 13 de dezembro.

Os dois são pacientes do Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, unidade que é gerenciada pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar sob contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), e não puderam realizar as provas nas primeiras datas porque estavam internados no hospital.

Para que os jovens não fossem prejudicados, o Oncológico Infantil entrou em contato com Ministério Público e as organizadoras do exame para garantir a realização das provas dentro do hospital, atendendo as necessidades e condições físicas de cada um deles, como explicou a supervisora psicossocial do Oncológico Infantil, Vanessa Teixeira. ”Ao identificar o perfil desses usuários inscritos no ENEM, o hospital iniciou a atuação em busca da garantia dos direitos deles, independente da condição de vulnerabilidade social ou condição clínica durante o tratamento, proporcionando sempre o atendimento humanizado e o exercício da cidadania”, detalhou.

Erica Amorim é professora da Classe Hospitalar do Oncológico Infantil e reforçou a importância do empenho das equipes do hospital para garantir a realização da prova. “A lei assegura o direito à educação para crianças e jovens hospitalizados e o Oncológico Infantil faz valer esse direito. A gente assegura esse direito à educação, tanto no ensino fundamental quanto no ensino médio”, explicou a professora.

Com pouco tempo de estudo em função do tratamento e um sonho de cursar medicina, José Lucas optou pela Engenharia Ambiental neste ano. “Estava no segundo ano de cursinho para medicina e acabei adoecendo em abril. O início foi muito desgastante, mas eu melhorei e, desde julho, retomei leituras e estudos. A engenharia ambiental é uma segunda opção para eu não perder a prova, mas no ano que vem eu volto para a medicina”, sorriu confiante.

Ao contrário de José Lucas, mas como muitos outros jovens que fizeram o Enem, Tonidiel fez a prova sem saber que curso escolher. “Fiz alguns simulados pela internet e estava indo bem nos resultados. É a primeira vez estou fazendo a prova e vou esperar o resultado para escolher o que fazer”, disse.

Seguindo as mesmas regras das provas já realizadas em novembro, além de escrever a redação, no primeiro dia os jovens responderam 45 questões sobre Língua Portuguesa, Literatura, Língua Estrangeira, Artes, Educação Física, História, Geografia, Filosofia e Sociologia. No segundo dia, responderam outras 45 questões sobre Química, Física, Biologia e Matemática.

Os resultados do Enem 2017 serão divulgados em 19 de janeiro e as notas terão validade para as duas edições do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) em 2018. Os candidatos poderão usar as notas para pleitear uma vaga em uma universidade pública que tenha aderido ao Sisu. Serão 130 instituições no Brasil, sendo 30 estaduais e 100 federais e um total de 239.601 vagas na graduação.