Crianças em tratamento no Oncológico Infantil recebem visita de jogadores do Paysandu

Um bolo de chocolate e uma nova camisa do time de coração já estavam entre os melhores presentes que o filho mais novo de Josenilde Silva dos Santos poderia ter recebido no aniversário. Mas uma surpresa preparada pelo Paysandu Sport Club fez com que a chegada aos 17 anos fosse um dia especial na vida do adolescente.

Acompanhados pelo Lobo, mascote do clube, os jogadores Nando Carandina e Mike Santos estiveram no Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo nesta terça-feira (16/4) para entregarem uma camisa oficial do clube ao jovem W.S.S, que faz tratamento na unidade há dois anos. “Agora tenho três camisas e cavalinho do Paysandu”, comemorou o jovem.

A visita dos jogadores acabou sendo uma surpresa para outras crianças e acompanhantes que conversaram com jogadores, garantiram autógrafos e se divertiram com o Lobo.

“Sempre que passamos pelo estádio ele diz que quer entrar, mas nunca tínhamos tido esse contato com os jogadores. Ele ficou muito empolgado porque adora futebol e só falava disso depois que eles foram embora”, contou Josiney da Silva Pereira, pai do pequeno torcedor J.S.P, de três anos, que também faz tratamento no Oncológico Infantil, unidade que é gerenciada pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar sob contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa)

Essa não foi a primeira vez que jogadores de futebol das equipes paraenses estiveram no Oncológico Infantil. A coordenadora de Humanização da unidade, Paula Viana, destaca a importância desse tipo de visita. “As festas de aniversário fazem parte das atividades do hospital. Todos os pacientes internados ganham bolo e presentes e é sempre um prazer receber parceiros nestes momentos. O futebol faz parte da cultura de muitos pacientes e esses encontros trazem alegria e motivação para a continuidade no tratamento”, explicou Paula Viana.

Para os dois jogadores, as histórias de tratamento das crianças e adolescentes agora ficam como inspiração para os próximos jogos. “Ver a felicidade das crianças foi uma experiência que nos fortalecerá ainda mais”, ressaltou Mike dos Santos. “Assim como eles torcem por nós, estamos torcendo por eles que têm batalhas muito maiores do que as nossas, mas a gente tem certeza de que não serão em vão”, disse Nando Carandina.