Acompanhamento pediátrico é fundamental para a saúde das crianças

A saúde do pequeno Rafael da Rosa sempre foi sinônimo de preocupação para a mãe Lucilene. As visitas ao médico sempre fizeram parte da rotina de cuidados de família e foi em uma dessas consultas que ela foi encaminhada por uma médica pediatra ao Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, em Belém, unidade do Governo do Estado do Pará.

A suspeita de leucemia foi confirmada e hoje, dois anos após o diagnóstico, Lucilene lembra da importância das consultas e do direcionamento que recebeu até chegar ao Oncológico Infantil. “Hoje, ele está perto de concluir as quimioterapias e eu só posso agradecer ao Hospital e médica que encaminhou”, conta a mãe.

Rafael é uma das 850 crianças que fazem tratamento contra o câncer no Hospital, unidade gerenciada pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, onde recebe acompanhamento especializado e multiprofissional. Para ele, a figura do médico pediatra foi fundamental no diagnóstico precoce do câncer, o que aumenta as chances de cura em até 80%, segundo estudos do Instituto Nacional do Câncer.

Profissão

Criada no final do século XIX, devido aos elevados índices de mortalidade infantil e ausência de profissionais especializados para cuidar de crianças, a profissão é celebrada neste sábado (27), com o Dia do Médico Pediatra. A data faz alusão à fundação da Sociedade Brasileira de Pediatria, em 1910, pelo Dr. Fernandes Figueira, no Rio de Janeiro. Até 1950, ela era uma sociedade basicamente carioca e a nacionalização ocorreu a partir de 1951, com a filiação das Sociedades e Departamentos Estaduais de Pediatria.

Médica pediatra no Hospital Oncológico Infantil, Juliana Adijuto acompanha de perto o caso de Rafael e de outros pacientes em tratamento na unidade. Com base na experiência de quem vem adquirindo desde o início das atividades do hospital, ela chama a atenção das famílias para importância das consultas médicas regulares com pediatras, desde as primeiras fases da criança e até a adolescência.

“É fundamental buscar um acompanhamento do pediatra para a criança desde o nascimento. São com essas consultas que a gente consegue manter uma vida saudável durante o crescimento e descobrir precocemente o surgimento de doenças, sejam as mais comuns ou mais graves como câncer”, destaca Juliana.

Sobre o Hospital

Atualmente, o Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo é a referência para o diagnóstico e tratamento especializado gratuito para crianças e adolescentes com câncer no Pará e estados vizinhos como o Amapá. Inaugurado em outubro de 2015 e gerenciado pela Pró-Saúde por meio de contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde do Pará (Sespa), o hospital atende cerca de 800 crianças e já um dos maiores do país em números de atendimentos realizados exclusivamente para a oncologia pediátrica. Em três anos, são mais de 800 mil atendimentos realizados, entre eles 87.384 sessões de quimioterapia e 41.049 consultas, com um índice de aprovação atual de 98% dos usuários.

Sobre a Pró-Saúde

A Pró-Saúde é uma entidade filantrópica que realiza a gestão de serviços de saúde e administração hospitalar há mais de 50 anos. Seu trabalho de inteligência visa a promoção da qualidade, humanização e sustentabilidade. Com 16 mil colaboradores e mais de 1 milhão de pacientes atendidos por mês, é uma das maiores do mercado em que atua no Brasil.Atualmente realiza a gestão de unidades de saúde presentes em 23 cidades de 11 Estados brasileiros — a maioria no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde). Atua amparada por seus princípios organizacionais, governança corporativa, política de integridade e valores cristãos.

A criação da Pró-Saúde fez parte de um movimento que estava à frente de seu tempo: a profissionalização da ação beneficente na saúde, um passo necessário para a melhoria da qualidade do atendimento aos pacientes que não podiam pagar pelo serviço. O padre Niversindo Antônio Cherubin, defensor da gestão profissional da saúde e também pioneiro na criação de cursos de Administração Hospitalar no País, foi o primeiro presidente da instituição.