Criança comemora última quimioterapia distribuindo flores para equipe do Oncológico Infantil

Gustavo, de apenas seis anos, surpreendeu os profissionais da unidade que é referência em oncologia pediátrica no Norte do país

A semana acabou de uma forma especial para o pequeno Gustavo Tobias, de apenas seis anos. Ele e a família viveram os últimos três anos, em uma rotina de internações e muitas sessões de quimioterapia para tratar uma leucemia, tipo de câncer que atinge tecidos formadores de sangue, um dos mais comuns entre crianças e adolescentes.

Nesta sexta-feira (13), Gustavo esteve no Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, gerenciado pela Pró-Saúde em Belém, e com uma placa nas mãos, anunciava a sua última sessão de quimioterapia. Para marcar a passagem vitoriosa por esta etapa do tratamento, o garoto, acompanhando do pai Júlio Pires Filho e da mãe Gracy Tobias, distribuíram flores para a equipe do setor de Quimioterapia do Hospital, onde realiza o tratamento contra a doença.

A ideia da homenagem veio da mãe e foi uma forma de agradecer pelo cuidado com o filho Gustavo, nesta etapa do tratamento. “Nessa trajetória, a caminhada nunca é sozinha. Dependemos dessas profissionais do Oncológico Infantil. Elas sempre foram muito amigas e, acima de tudo, humanas com meu filho. Não podia deixar esse momento passar em branco”, conta Gracy.

A escolha das rosas como presente também foi por um motivo especial. “A leucemia está relacionada ao sangue. No tratamento do câncer, sangue é renovação da vida e é isso que o Gustavo alcançou agora”, complementou Gracy.

Para a equipe que estava no setor de Quimioterapia, a surpresa de Gustavo alegrou ainda mais o dia. “No acompanhamento que fazemos, temos como saber quais são as crianças que estão chegando no final desta etapa do tratamento. O Gustavo era um deles e essa surpresa nos deixou felizes porque é um reconhecimento para toda a equipe. É um ciclo longo de, no mínimo 120 semanas, e a gente acaba criando vínculos”, explica a enfermeira Arielle Lima.

Com o término das quimioterapias, a próxima etapa do tratamento para o pequeno Gustavo é o acompanhamento com médicos pediatras e oncopediatras em consultas e exames inicialmente mensais. Depois disso, o intervalo entre uma consulta e outra aumenta até completar cinco anos, quando os pacientes recebem a alta definitiva do tratamento.

Sobre o Hospital
Referência para o diagnóstico e tratamento especializado de crianças e adolescentes com câncer na região Norte, o Hospital Oncológico Infantil é unidade pública de saúde pertencente ao Governo do Estado do Pará e gerenciado pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar.

Atualmente, cerca de 900 crianças e adolescentes de municípios do Pará e de estados vizinhos, como o Amapá, estão em tratamento no Hospital que completou 4 anos em 2019, superando a marca de mais 1 milhão de atendimentos. Entre eles, 110 mil sessões de quimioterapias, 56.049 consultas, 651 mil exames e 5.533 internações, com um índice de aprovação atual de 98%.

Em 2019, o Hospital se tornou o primeiro na rede pública do país, com atendimento em oncologia pediátrica, a conquistar a certificação ONA 3 – Acreditado com Excelência. Esse é o maior nível de reconhecimento concedido pela Organização Nacional de Acreditação, entidade respeitada e com atuação nacional responsável pela avaliação dos serviços de saúde do País, destacando os melhores resultados de gestão, qualidade e segurança voltados ao paciente.

Sobre a Pró-Saúde
A Pró-Saúde é uma entidade filantrópica que realiza a gestão de serviços de saúde e administração hospitalar há mais de 50 anos. Seu trabalho de inteligência visa a promoção da qualidade, humanização e sustentabilidade.

Com 16 mil colaboradores e mais de 1 milhão de pacientes atendidos por mês, é uma das maiores do mercado em que atua no Brasil. Atualmente realiza a gestão de unidades de saúde presentes em 24 cidades de 12 Estados brasileiros — a maioria no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde). Atua amparada por seus princípios organizacionais, governança corporativa, política de integridade e valores cristãos.

A criação da Pró-Saúde fez parte de um movimento que estava à frente de seu tempo: a profissionalização da ação beneficente na saúde, um passo necessário para a melhoria da qualidade do atendimento aos pacientes que não podiam pagar pelo serviço. O padre Niversindo Antônio Cherubin, defensor da gestão profissional da saúde e também pioneiro na criação de cursos de Administração Hospitalar no País, foi o primeiro presidente da instituição.