Professor vítima da Covid-19 é eternizado em homenagem realizada pelo Hospital Oncológico Infantil

Sala de aule da Classe Hospitalar da unidade recebeu o nome de Prof. Roberto França

Em cerimônia marcada por muita emoção e gratidão, o Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, gerenciado pela Pró-Saúde em Belém, homenageou nesta quinta-feira (6), Roberto de Mendonça França Junior (in memoriam), professor que atuava desde 2015 na Classe Hospitalar da unidade.

Agora, a sala de aula do Hospital Oncológico Infantil ganha o nome de “Professor Roberto França”, em memória do profissional que foi vítima da Covid-19, em abril deste ano. Trata-se de um reconhecimento pela dedicação de Roberto com a educação das crianças e adolescentes atendidos na unidade, que é referência para o tratamento do câncer infantojuvenil no Pará.

Ao longo da carreira, Roberto foi integrante de um movimento de professores que buscavam levar ensino e educação para dentro das instituições de saúde do Pará. Ligado à Secretaria de Educação do Pará, atuou na sala de aula do Hospital Ophir Loyola durante anos. Com a inauguração do Oncológico Infantil em 2015, acompanhou a transição dos pacientes que passaram a ser atendidos e estudar no novo hospital do governo do Estado.

Apaixonado pela educação e pela cultura do Pará, Roberto sempre acreditou que a saúde e educação deveriam caminhar juntas, em uma busca pela cura e pelo conhecimento. Por isso, a homenagem foi realizada no Dia Nacional do Profissional de Educação, celebrado em 6 de agosto.

Em respeito às recomendações de distanciamento social e para evitar aglomerações, o evento foi transmitido ao vivo pelo Instagram da Pró-Saúde. A cerimônia foi acompanhada em tempo real por funcionários do Oncológico Infantil, alunos da Classe Hospitalar, da faculdade onde Roberto dava aulas em Belém, e por amigos e familiares do professor, que somaram mais de 120 visualizações simultâneas na live.    O vídeo está disponível no link: https://www.instagram.com/p/CDjLAsEBTat

Os alunos de Roberto, crianças em tratamento contra o câncer, integram o grupo de risco do novo coronavírus, e por isso, não puderam comparecer de forma presencial. Mas, foram representadas no local por meio de vasos de plantas decorados especialmente para a ocasião, que levavam o nome de cada um, e foram posicionados no corredor de entrada da sala.

Letícia França, esposa de Roberto, acompanhou com emoção toda a transmissão. “Foi tudo muito lindo. Choramos muito com cada palavra, nas lembranças do amor dele pelo carnaval, pelo maestro Valdemar Henrique e pela educação”, contou Letícia.

Na cerimônia, Alba Muniz, diretora Hospital do Oncológico Infantil, destacou o legado deixado pelo professor e como a relação dele com as crianças está agora eternizada. “Escolhendo ser professor, Roberto ajudou crianças e adultos. Pelas crianças ele lutou sempre acreditando que com saúde e educação poderia formar pessoas melhores e capazes de transformar o mundo”, ressaltou Alba.

Além de dar nome à Sala de aula do Oncológico Infantil, o legado de Roberto também ficará eternizado no hospital em uma placa, localizada no corredor de entrada da sala de aula, com um de seus últimos textos escritos durante a pandemia. Na mensagem, Roberto fala sobre viver os sonhos sem medo.

“Quando tudo parecer desmoronar, procure uma nova direção. Não deixe sua vida estagnar pelo medo. Jogue tudo para o alto e mude seu rumo. Seja a pessoas que você sonhou. Basta arriscar”, Roberto França.

Sobre a Pró-Saúde
A Pró-Saúde é uma entidade filantrópica que realiza a gestão de serviços de saúde e administração hospitalar há mais de 50 anos. Seu trabalho de inteligência visa a promoção da qualidade, humanização e sustentabilidade. Com 16 mil colaboradores e mais de 1 milhão de pacientes atendidos por mês, é uma das maiores do mercado em que atua no Brasil. Atualmente realiza a gestão de unidades de saúde presentes em 24 cidades de 12 Estados brasileiros — a maioria no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde). Atua amparada por seus princípios organizacionais, governança corporativa, política de integridade e valores cristãos.

A criação da Pró-Saúde fez parte de um movimento que estava à frente de seu tempo: a profissionalização da ação beneficente na saúde, um passo necessário para a melhoria da qualidade do atendimento aos pacientes que não podiam pagar pelo serviço. O padre Niversindo Antônio Cherubin, defensor da gestão profissional da saúde e também pioneiro na criação de cursos de Administração Hospitalar no País, foi o primeiro presidente da instituição.